Follow by Email

sábado, 10 de março de 2018

Poema que fiz- Descalço.

De pés descalços eu olho para o céu.
Ele está sem nuvens hoje.
Nenhuma sombra se formara sobre a terra por onde eu fico.
Há rachaduras em minhas memórias e também no meu caminho.
O trem passou.
Com ele muitas histórias, sorrisos.
Por favor, fé, deixe as pedras ponte agudas no fundo do mar.
Eu pensei que tenha pisado em alguma poça de tinta vermelha por aí.
A certeza de quem não era tinta, foi quando senti dor.
A banca de revista já esta aberta, informações passam de mãos em mãos.
Até chegar ao chão, a informação poderá voar, se eu não correr rápido, o vento a lavará.
Segundos é valioso, preciso me apressar.
Eu aprendi a ler com um grande ancião, não apenas de tamanho, também de coração.
Ele me dizia, que mesmo com tão pouco, mesmo quando as pessoas tentarem te manipular.
Era pra eu me manter em pé, mesmo que eu estivesse sangrando.
A inveja não poderia tomar conta de minha alma, e nem de outras.
A corrupção se tornaria informações sobre um papel, e o ancião estava certo.
E antes que ela voe para mãos de uma alma pura.
Eu corro, corro, corro, corro, corro mais do que meus pés possam suportar.
Vai chegar um dia que estarei descalço, olhando para um céu sem nuvens.
Perguntando-me, até quando, eu vou ter que queimar esses papéis feitos pelo homem.
O meu medo nunca foi ficar descansos, sem ter um chão fofo pra pisar.
O meu medo é a inteligência do homem ser forçada em criar um novo mundo.
Onde a informação enganosa não esteja apenas em papeis, e sim, torne a ficar em nossos corações.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Poema que fiz: O muro e seus dois lados.

Até o mais louco dos homens sofre quando senti solidão.
Você pode caminhar por dias atrás do paraíso.
Mas se você achar que o paraíso pode ser apenas seu, a solidão da as mãos com o egoismo.
Quando você parar para perceber, um copo de água para quem precisa, pode te fazer falta.
Mas lá no fundo, você sabe que o medo tomou conta do seu paraíso.
Pois você tem uma mangueira no pátio, cheia de furos vazando água pra todo o lado.
E você só percebe quando sua conta chega na caixa de correio.
Ou talvez nem perceba, as mãos estão ocupadas, contando as notas de dinheiro.
O arco iris só tem duas cores, preta e branca.
Mas quem liga, o paraíso pra onde eu vou, se compra.
Até o chão que você fez a sua cama, pode ser meu um dia.
E você vai ter que pedir água em outro lado.
O lado desse muro o arco iris colorido não chega.
E a ganancia pintou o muro de preto e branco.
E o outro lado do muro, ficou colorido.
Lá o arco iris é o paraíso, no final dele, existe pessoas que dividem as coisas.

domingo, 12 de novembro de 2017

Poema que fiz: Há dias que assim que começa.

Há dias que o sol nos aquece.
Há dias que o sol ele só aparece.
Na verdade, a gente só espera que o dia acabe bem.
O asfalto queima cuidado ao tocar.
Às vezes da vontade de sentar sobre o asfalto, e espera a chuva chegar.
A magia esta no ar, os raios formam uma nova fantasia, feche a janela antes que tudo comece a voar.
Virando a pagina do livro, tomando um chá, relaxando, escutando o barulho do luar.
Eu quero que essa noite continue assim, boa pra todos.
Há dias que assim que começa.
A corrente que cerca o mundo é a mesma que te prendi, se acalma eu vou te salvar.
Para desenhar, até um carvão serve.
Para sorrir, até um elogio inconveniente nos ergue.
Ele usou uma camiseta suja de tinta para protestar.
Com o cabelo cheio de tranças, um calçado velho, esse senhor, ele doou o que mal tenha pra ajudar.
Outro dia a loja de roupas fechou cedo, e ele, o senhor do calçado maltratado, se deitou para esperar.
Acabou dormindo, sonhou com uns zunidos, se sentiu sozinho, mas era lá que ele queria estar.
Mesmo sem guarda chuva, sem a poltrona para ler um bom livro, ele deu sua resposta para o mundo.
"Eu acredito no amanhã, ele nunca vai ser comprado, tudo pode mudar"
Quando tudo acabar, espero ver meus amigos, todos sorrindo, correndo pelo jardim, estamos todos livres.
Eu quero que essa noite continue assim, boa pra todos.
Há dias que assim que começa.

sábado, 21 de outubro de 2017

Poema que fiz: É hora da mudança.

O martelo bate, e você é julgado.
Às vezes basta um olhar, e você já é julgado.
Um rosto bonito, um dinheiro sobrando na carteira, às vezes,
te absolve, vira o melhor advogado.
Você acorda cedo, coloca uma fantasia, pega um violão, e leva alegria
para alguém desesperado.
Esse lugar se localiza em um lugar grande, as paredes quase sempre são brancas,
um pouco rachadas.
Você se tranca no quarto, a maquiagem se evapora sobre as lágrimas, pois o simples fato
de escolher um caminho diferente, aquele de não se importar com a beleza da imagem.
Apenas se importou em ajudar o próximo.
Enquanto a natureza morre, paredes são levantadas.
A tecnologia não tira você de casa, mas tira você de uma roda de música,
de uma viajem, até de uma escola.
O padrão de beleza se compra, toma forma de notas.
Rótulos, rótulos, rótulos.
Você se encontra no centro da cidade, para, respira profundamente.
“Esta tudo errado”.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Poema que fiz: Um novo horizonte

Então eu acordei
Vi que o dia está diferente
Como se tudo tivesse acalmado
Levanto, pego minha xícara favorita
E bebo um café, para me deixar animado.
Passo minhas roupas
Amarro meus sapatos
Fico diante ao espelho
Enxergo algo diferente
Vi que não foi só o dia que tenha mudado.
Passos longa, talvez passos curtos
Já não interessa mais
Hoje será inovador
Já não lembro mais do passado.
Dou bom dia, tarde e noite
Um aperto de mão, um abraço, um sorriso contagiante.
As pessoas estão diferentes
Virou tudo uma canção empolgante.
Sim, eu reclamava de tudo
De tudo, era tudo mesmo
Pense em uma praia, com a água mais clara
Tão clara, que refletia um rosto amargo
A vontade de ir embora era constante.
Eu não sabia o que era ter amigos
Só sabia a hora de ficar sozinho.
Havia uma muralha sobre minha volta
De conselhos, bastava só o que eu acreditava.
E eu acreditava na solidão.
Então aí você chegou
Estava lá o tempo todo
Estava lá de corpo e alma
Então nessa manhã, eu me reconheci no espelho e fiquei aliviado.
Finalmente entendi.
O verdadeiro significado do amor
É começar amar a si mesmo, mais que tudo
Porque só assim estará preparado para fazer alguém feliz e entender a lógica.
Quando estiver preparado para não querer se machucar, não irar machucar mais ninguém.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Poesia que fiz: Vida

Vida

Eu decreto uma lei
A vida passa, e pra trás você ficou
Tudo se vai rápido, só perdi quem não acreditou.

Virou pó, e não virou rei
A vida não tem preço
Aproveite o pouco que tem.

Lamentar virou rotina
Quero tornar realidade tudo que sonhei
Nunca fui covarde, mas no sofá sentei.

Dragões rasgam o céu
A armadura para me proteger do fogo
O dia nunca é igual o outro , acredite, não seja um tolo.

Acredita na rotina
E o medo o acomodou
Acredite, ainda há tempo para realizar seus sonhos.

A vida não é algo para se descartar.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Poema que fiz: Nos liberte

Uma viagem começou
Sobe a terra molhada um terreno abandonado
Uma cerca de arame impedi alguns sonhos
O céu estrelado, ele já foi o teto para minha casa.
Por alguns segundos em silêncio
Vejo o passar da noite virar música para meus ouvidos
Os animais não pouparam seu canto
Foi o cobertor para eu não me sentir mais sozinho.
Já pensei em pular do alto de uma cachoeira
E não senti medo se lá no fundo do rio houvesse rochas
Pra me machucar não precisa ser apenas rochas pontiagudas
Basta ter palavras bonitas, escondidas em mentiras, para conquistar um objetivo ou uma saída.
Uma bandeira no alto do mastro
Pinturas e desenhos sobre os muros
Nunca ganhei uma medalha
Mas já ajudei alguém que passou fome, foi iludido.
Logo eu que nunca tive oportunidades
As vezes vejo a cidade ficar preta e branca
A minha vontade sempre foi pintalá de dourada, para lhe dar vida
Para que a mudança não se torne longa.
O meu combustível é acreditar
O que me mantém em pé é lutar
O mundo deveria ser de todos
Mas ainda há correntes que nos prendem e vem a nos machucar.
A água para refrescar a sede devia ser dividida
É como se o sol um dia tivesse preço
Eu olho para ambos todos os dias
Mas você ainda continua colocando selos.
Sua gravata lhe trouxe poder
Sei que quando acorda, sempre tem alguém para te abraçar
Não fico com inveja
Apenas espero, espero que chegue o dia que seu poder vire a cura para nos libertar.
Um mundo aonde usar gravatas, ter um lindo carro, ser simpático
Não lhe dê o direito de tirar o meu abraço
Pois eu todos os dias o renego
Renego a doença do mundo, eu só quero que todos sejam iguais, sejam livres, sem tirar o que é nosso.
O que é nosso sempre existiu
E você pode ver
Igualdade seria a mais bela saída
Onde todos em paz poderiam viver.